Onde sentes?

Começo por dizer apenas que sou estúpida.
Estúpida porque criei na minha cabeça algo que pensava que iria resultar, até mesmo com as minhas complicações eu criei uma táctica até melhor que o 4-3-3 do Sporting.
Qualquer uma se apaixona seja por um idiota, seja por um atrevido, seja por um socialão. A verdade é que não conseguimos criar rótulos nas pessoas que digam "nem pensar, não". Quando acontece nunca estamos à espera. Para isto não foi exceção e por mais rapazes que existissem por aí eu quis-te a ti e eu digo isto da forma mais revoltada  possível, porque enquanto poderia ser uma coisa boa que me trouxesse grandes  alegrias, só traz coisas angustiantes que nem eu própria sei explicar. Eu não sei o que sinto. Uma soma de vontades de te esganar com vontades de te conhecer melhor, sorrir contigo e dar-te o que eu tenho de melhor. Não consigo perceber porque é tão complicado. Não sei porque assim do nada eu deixo de ser alguém que gostavas de falar. Não sei porque dá-te gozo mostrares-me as raparigas que conheces e que supostamente falas. Não sei como és capaz de dizer que gostas de mim se eu não consigo sentir um mínimo de carinho da tua parte. Não consigo perceber como é que esta distância me afeta e ao mesmo tempo me consola. Não sei como és capaz de te sentires bem quando brincas com os sentimentos de alguém que bem te podia ter rejeitado logo no primeiro dia porque não há mais que rapazes por aí, carinhosos, com um sentido de querer ver crescer as borboletas na barriga e a vontade de ter alguém que lhes mexa por completo, que os faça sentir especiais pelo menos alguma vez na vida, ter alguém que não seja apenas aquele alguém mas sim "aquela que mexe comigo e que me faz sentir bem".
Costumes viraram moda, então deixa-me ser antiquada. Sempre defendeste que a base era a confiança. Mas onde é que eu a encontro? Na boca daquelas que tu te metias na brincadeira? Tu sabes lá o que me custa ter de falar da tua pessoa e ter sempre uma rapariga que tenha uma história contigo. Eu aguento e faço esse sacrifício. E para adicionar à lista de defeitos, sou burra. Burra por aguentar e mesmo assim só te exigir um pingo da tua honestidade seja para me dizeres que isto foi uma brincadeira e que só querias gozar comigo ou que simplesmente não dá. Eu farto-me de dizer que não sou suficiente, que não sirvo para ti e sei que te chateia mas a minha auto-confiança está no menos infinito. Acho que gosto demasiado de agradar e quando sinto que não o consigo vou abaixo.
Eu queria tanto parar de gostar de ti. Eu queria parar de ser insegura. Eu queria dar-te um estaladão por seres um grande idiota mas acima de tudo queria poder enroscar-me a ti, calar-me e cair no sonho.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Saudade que invade..

#1

#2